Associação Atlética Chavantense

AAC



Associação Atlética Chavantense:

Nome: Associação Atlética Chavantense Associação Atlética Fundação: 29 de setembro de 1929.
Estádio: Coronel Manuel Ferreira
Capacidade:4.000. 
A Associação Atlética Chavantense nasceu em 29 de setembro de 1929. A Chavantense participou oito vezes do Campeonato Paulista: duas pela Terceira Divisão (1982 e 1986); e seis pela Quarta Divisão (1965, 1966, 1967, 1968, 1988 e 1989). No início dos anos 1990, o departamento de futebol foi totalmente desativado.
Estas são as camisas que o time da Associação Atlética Chavantense usou durante anos. Hoje, fazem parte da magnífica coleção da Aktion Sports, que desenvolve a reedição de camisas de Clubes Extintos e/ou Amadores do interior de São Paulo. Muitos desses clubes deixaram de existir para se tornarem outros clubes já bastante tradicionais. É uma coleção de importância histórica sem precedentes.
  Imagens pesquisa google

Histórico da AAC
- O Municipio – 07/09/1949

1929 foi o ano em que nasceu a AAC.
“ Foi Marciano Vieira o esteio, a espinha dorsal, a semente fecunda que a fez nascer e frutificar, concretizando os sonhos dos moços daquela época”.
À boa vontade, ao prestígio e à disposição de Marciano Vieira, uniram-se a perseverança e dedicação de um outro chavantense, que foi a mola propulsora, verdadeiro espírito esportivo, despretensioso e modesto: Antonio Fontes que sempre liderou as iniciativas esportivas nesta terra.
À Marciano Vieira e Antoninho Fontes, juntaram-se outros, de identicas qualidades e a ideia tomou vulto, para logo mais tornar-se realidade.
No mês de setembro de 1929 elegia-se a 1ª Diretoria para logo a seguir organizar o 1º quadro de futebol, a modalidade esportiva escolhida para inicio das atividades.
Como “praça de esportes”, conseguiram por empréstimo um, terreno nas proximidades da Santa Casa.
Ao leal e tradicional rival Ipauçuense coube as honras da estréia. E em memorável tarde a AAC, conseguiu a sua 1ª vitória. Outros embates vieram. Vitorias, derrotas. Que importa se a finalidade no esporte não é apenas vencer. É preciso saber perder.
A AAC, depois de engatinhar começou a dar os seus primeiros passos. Construíram a Praça de Esportes “Santa Maria” em terreno cedido pelo cel. Manoel Ferreira. Grandes vitorias. Capivariano baqueava por 3X1. Tarde de indescritivel entusiasmo. Memorável feito.
Atilio, Andrelino, Ret, Horacio, Licio, Pintado, Tate, Soma e tantos outros se agigantaram naquela tarde.
AA Botucatense, Santa Cruz, Ourinhos, Ipauçu, Jacarezinho, AA Sorocabana (da capital) e outras tantas representações de cidades diversas experimentaram revezes inesquecíveis. 38 vitórias consecutivas. Feito pouco comum no futebol interiorano.
Com grandes e desinteressados defensores, contou a AAC com grandes esportistas: Marciano Vieira, Antoninho Fontes, Arnaldo ferreira, José Rubio, Astor e Oswaldo Pereira da Silva, Olegário Bueno, Joaquim Monteiro de Barros, José Ramos, Augusto Regalla, José de Souza Carvalho e entre todos, Ary Bueno. 
Ary Bueno merece um capítulo especial. Na flor da idade, quando a vida lhe era toda sorrisos, quando o entusiasmo e a esperança jorravam de seu coração, foi vitima indefesa de tragica fatalidade.
Levou consigo para o descanso eterno, como manto protetor, a bandeira alvinegra, que tanto amou na terra.
Hoje, vinte anos depois, a AAC é uma realidade. Concretizaram-se os sonhos de ontem.
Ai estão na lembrança de todos, os seus feitos, que somente têm sido motivo de orgulho para os que tanto lutaram no passado, para a sua sobrevivência.
E aos meus velhos amigos, atuais diretores, uma lembrança quero deixar:
Que as festividades que se aproximam sejam extensivas aos maiorais e aos mais humildes, pois dentro de esporte não há preconceitos. 
Respeitar o vencido é merecer a vitória.
Á Associação Atlética de Chavantes, meus votos de grande prosperidade.

São Paulo, setembro de 1949
“Chapudo”


Vale lembrar que a doação do terreno para a construção do estádio da AAC, foi do Cel. Manoel Ferreira. O Estádio foi considerado "BELLO E SUMPTUOSO" por Adelino Gião, proprietário do Jornal O Município.


Jogo de inauguração da Praça de Esportes
Santa Maria
 - jornal O Município 31/08/1934


José Ramos, Presidente da AAC - jornal O M 09/06/1934


27 de agosto de 1934



1944


Foto de Jorge Lemos. Em pé: Dirceu, Jorge, Ziquinho, Osvaldo, Mané Sabiá, Tuta, Joel, Cesar, Luiz e Rubens. Agachados: Noel, Butiaco, Pedro Luiz, Nivaldo, Osvaldinho, Moura e Brasil. Jogo realizado em comemoração ao Aniversário da Cidade;

As maravilhosas fotos abaixo, pertencem ao Sr. Jorge Laccana que passou por toda a região fotografando e escrevendo sobre clubes e estádios de futebol.

É ele quem diz: "Além do estádio, tive a oportunidade de ir ao centro da cidade para conhecer um prédio, que se encontra em más condições e que foi a sede social do clube e também servia como alojamento e concentração dos atletas. Ainda de acordo com o Cido, esse prédio seria objeto de uma disputa judicial, uma vez que a Prefeitura deseja recuperá-lo, mas estaria enfrentando dificuldades, pois os fundadores remanescentes da Chavantense, não estariam concordando com a cessão ou devolução do imóvel. Confesso que não entendi direito essa história, mas foi possível perceber que está rolando um imbróglio jurídico.


Segundo meu cicerone, a Chavantense não existe mais e, portanto, não disputa nenhuma competição, mesmo amadora, sendo que o estádio é utilizado apenas por equipes que representam sítios e fazendas da região".

                            Foto de Jorge Laccana
                            Foto de Jorge Laccana
                            Foto de Jorge Laccana
                            Foto de Jorge Laccana
                             Foto de Jorge Laccana
                            Foto de Jorge Laccana
Foto de Jorge Laccana

Osvaldinho. Sua vida na AAC:


Ainda muito novo, Osvaldinho de Souza seguia com atenção os jogos da AAC. Com aproximadamente 14 anos, iniciou sua carreira de jogador. Durante pouco mais de um ano, participou dos jogos como amador e, em 1964, ingressou, juntamente com o time, no futebol profissional. Ficou conhecido como um dos melhores jogadores da Associação e sempre foi muito benquisto pela população. 
Houve um período em que a COBRAPA, construindo a Usina de Chavantes, montou um time de futebol que também foi para o profissional e concorreu com o time da AAC, sendo forte a disputa entre eles.
Depois que deixou o futebol profissional, Osvaldinho continuou incentivando os jovens e adultos da cidade, na prática esportiva.
Criou, em 1986, na administração de Leonildo Vidal, um time com maiores de 30 anos e durante alguns anos cuidou com muito desvelo do grupo. Mais tarde, ao deixar o comando para amigos, foi homenageado com um belo troféu, entregue na Fazenda Marcondinha, pela excelência dos serviços prestados. Entre os amigos que prestaram a significativa homenagem, citamos: Pacotinho, José Antonio e Ditinho.
Durante muitos anos, a AAC não mais conseguiu participar do futebol profissional mas, em 1982  voltou, infelizmente por pouco tempo.
Em 1965, Osvaldinho conheceu a professora Maria Rosa num dos carnavais da sede social da AAC e o casamento ocorreu em 1967. Formaram uma bela família com os filhos Osvaldo, Cleber e Tais.

Pouco antes do Profissional. Paraná, Fontes, Naca, Getulio Bachiega, Osvaldinho (14 anos),
 Brás, Baltazar, Basílio Malerba, Ziquinho.

 Futebol Profissional: Bodinho, Osvaldinho, Ditinho Cândido.




Volta ao Futebol Profissional em 1982. Ney (treinador), Lazinho,
 Gilmar, Gazeta, Robertinho, Carlão, Pelé, Eli, Cascão,
 Omir, Paulete, Fauzi (presidente), Zé Miguel,
 Bahia, Marquinhos, Osvaldinho, Cléber. e Stefano

 1978 Nico Tristão, Amandinho, Tito Faria, Pedro Luiz, Fiori Giglioti, Omir Gaino, Antonio R. Martins, Luiz Boné, Heráclito Moura (pai repórter Rodrigo Bocarddi, da Globo), Butiaco, Carlinhos, Osvaldinho, Jair.

Ney, Valdomiro, Ely, Ditinho, Dagô, Nilton, Mario
Robertinho, Osmar, Pelé, Pedro Luiz.
Agachados: Gonçalo, Auau, Pedrinho do Marques, Roque,
Osvaldinho, Carlinhos, Suné e Gilson.

 Beto, Zaide, Chinho, Fiore, Jorginho, Getulio, Chico, Mariotto, Miguel,                                           Luizinho Mariotto, Paraná, Pocay, Osvaldinho, Naca, Basílio.1965

 Ney, Beto, Paulão, Piava, Robertinho, Lucio, Oraci, Goiano, Osvaldinho, Bethi.
Vice Campeão da 3ª Divisão de Profissionais da FPF. 1965




Construção de Arquibancadas da Chavantense
Em 1943, um movimento encabeçado por esportistas como Cesário Peixoto, Antonio Fontes Junior e Mario Tilio entre outros, teve por finalidade obter fundos para melhoramentos no campo da Chavantense que recebeu o nome de Estádio “Cel. Manoel Ferreira”.


 24/07/1943

Inauguração da Quadra de Bola ao Cesto
Chavantes, graças aos seus esportistas, tem progredido muito em matéria de esportes.
O grande sonho e ideal de Antoninho Fontes, a construção da quadra de Bola ao Cesto já concluída, foi inaugurada no dia 15 com um jogo entre um quadro desta cidade e um quinteto de Santa Cruz do Rio Pardo.





26/7/58 Campanha Futebolística

Bonita campanha vem cumprindo nossos futebolistas no Campeonato Amador do Estado de São Paulo para a conquista do título da 12ª Zona do Campeonato Amador do Estado de SP. Está de parabéns o técnico da equipe, Roberto Campos e aos defensores da Veterana: Jaú, Biruca, Sotero, Aparecido, Miguel, Cheiroso, Nelsinho, Pitico, Corintia, Bodão, Zizi, Otacilio, entre outros.

Agosto de 1958

Campeonato Amador do Estado de São Paulo

A equipe da Associação Atlética Chavantense é Campeã!

Nossos rapazes, de forma brilhante conseguiram a conquista de campeões do setor 31 do Campeonato Amador do Estado de São Paulo, ao abater a representação ourinhense por 5 x 0.
Com uma enorme torcida que movimentou diversos veículos desta cidade, a equipe chavantense rumou para Ourinhos disposta a trazer o título. Os pupilos de Roberto, preparados física e moralmente, não decepcionaram, pelo contrário, se apresentaram como verdadeiros campeões e deram mostra de que são merecedores desse mérito.
A partida foi disputada num ambiente de camaradagem e, mesmo sofrendo derrota a equipe de Ourinhos portou-se com alto espírito esportivo.
Marcaram os tentos pela chavantense, pela ordem: Nelson, Miguel, Sotero, Jaú e Piquico.
A nossa equipe jogou assim: 
Biruca: poucas vezes foi empenhado;
Aparecido: com fibra invejável anulou completamente seu antagonista;
Jaú: inseguro nos primeiros minutos da partida firmou-se e demonstrou a sua ótima classe:
Lasquinha: cresceu muito no segundo tempo;
Nelsinho: estupendo o nosso chefe da linha média com seu jogo batalhador e técnico;
Furtado: em grande forma, anulou completamente o ponteiro adversário. Um grande elemento em sua atuação:
Bila: fora de sua posição, não deixou de corresponder aos anseios da torcida, com muita dedicação.
Miguel: esteve a altura dos elogios que recebeu;
Sotero: marcou um lindo gol da forma que lhe é peculiar;
Zizi: foi o melhor do ataque. O meia construtor foi a principal peça da nossa vitória com seu jogo de armação vistoso;
Piquico: no final do jogo igualou-se aos seus companheiros e marcou belíssimo tento.

Parabéns a esses arrojados rapazes que, com grande esforço conseguiram esse grande triunfo para a nossa estimada agremiação e nossos aplausos para a diretoria alvinegra pela ótima organização com que está cuidando dessa parte esportiva.
(Jornal O Município)

Acervo de Raul Muniz




Baile dos Campeões
Realizou-se nos salões da AAC o esperado baile para a entrega das faixas de campeões aos atletas daquela agremiação que brilhantemente conseguiram levantar o campeonato amador de futebol da 12ª zona, setor 31 do Estado de SP.
A noitada dançante que decorreu num ambiente de alegria e camaradagem, suplantou a expectativa reinante, pois com Alcino Silva como organizador, já se previa grande sucesso.
A entrega das faixas aos campeões decorreu dentro da mais perfeita ordem, sendo o ponto culminante da festa, tendo se destacado durante a cerimônia os trajes verdadeiramente chiques das madrinhas dos atletas.
Falaram na ocasião: em nome da AAC o sr. Otto Mamede, em nome dos atletas o sr. Roberto Campos e o sr. Alcino Silva, com a simpatia que lhe é peculiar, em breve alocução disse do contentamento dos esportistas chavantenses por tão grande triunfo.
O baile prosseguiu até altas horas, sob o ritmo gostoso do conjunto de Nelson, da cidade de Assis.



Associação Atlética Chavantense – Festas


Em fase final a construção dos salões da AAC
Mais uma CHAMPANHOTA com a presença de Cauby Peixoto.
Caminha a passos de gigantes o término da reforma dos salões da AAC. Por ocasião da cobertura do prédio, a Diretoria ofereceu a um grupo de amigos uns “comes e bebes” nos novos salões do clube.
Na ocasião traçaram-se planos para a inauguração e estudos para o maior aceleramento das obras, sendo o propósito dos diretores da “Veterana” entregarem aos seus sócios ainda para os folguedos de Momo a nova e moderna sala de danças.
A “Champanhota” também vem “estourando” por aí e, logo após o carnaval teremos novamente o sr. Alcino Silva brindando ao povo chavantense com a maior festa da região. Teremos desta vez abrilhantando e animando ainda mais a Champanhota, a presença do “coqueluche” das meninas – Cauby Peixoto, o cantor galã do rádio brasileiro, além de Agostinho dos Santos e Ruth de Souza, renomada estrela do nosso teatro e cinema.



A nota “Chic” da noite será a homenagem que “O Município” e a AAC prestarão na ocasião às senhoras e senhoritas apontadas como as “Dez mais elegantes” pelo nosso jornal.
Podemos informar ainda que, a Tecelagem Helvetia patrocinará toda a Champanhota, como também estará encarregada de distribuir cortes de tecidos a todas as senhoras e senhoritas presentes na ocasião.
Os planos como podemos ver, são espetaculares e cremos mesmo que não seremos decepcionados, pois sabemos muito bem do que é capaz esta arrojada diretoria da agremiação as rua Major Dias Grillo.


 Flagrantes da 3ª Champanhota - 1958
Os mais elegantes homenageados pela AAC

 Carmem Silvia e Anselmo Marriotto
Carmem eleita a mais bem vestida da 3ª Champanhota.

Otto Mamede, presidente da AAC


Tito Faria e Carlota, Fanny e Sylvio Regalla.


As Dez Mais Elegantes Chavantenses de 1959
Com o intuito de organizarmos uma lista das dez mais elegantes chavantenses no ano de 1959, fomos a procura dos componentes da diretoria da AA Chavantense, srs Otto Mamede, Alcino Silva e Dirceu Vedovello, respectivamente presidente e diretores da tradicional agremiação chavantense.
Ninguém melhor que esses cavalheiros para organizarem uma relação de senhoras e senhoritas que se primam pela maneira de bem vestir e se apresentar à sociedade.
A AAC foi palco, no ano de 1959, de sensacionais apresentações e por ela desfilaram toda a beleza e graça da mulher chavantense.
Chavantes não têm somente dez elegantes. Têm muitas, muitas mesmo. E por aí podemos imaginar a dificuldade para se fazer uma lista de dez. As sras. Otto Mamede, Alcino Silva e Dirceu Vedovello foram omitidas da lista por uma questão de modéstia mas, devem figurar como elegantes porque realmente o são.
As Dez Mais Elegantes. Publicação do Jornal O Município, arquivado no Museu Municipal.


Idalina Silvestre

Edmeia Maria Gonçalves


 Sr. Alcino Silva, presidente da AAC – 
Ney, Mister Suéter 1967/68. Baile do Suéter.
 (Foto do acervo pessoal de Marizia Santos Jorge).



 
EM CONSTRUÇÃO

2 comentários:

Lilia disse...

Vitório Botega
Mensagem Boa tarde, parabéns pelo blog. Por favor, você teria mais informações sobre o Campeonato Amador do Interior de 1958? Contra qual time do setor 32 a AA Chavantense disputou a segunda fase? Abraços.

Lilia disse...

Olá Vitório. Todo o material que consegui sobre a Associação, está no blog. Surgindo alguma novidade, entro em contato.
Obrigada pela visita e volte sempre.